Siga o observatório nas redes socias!!!

sábado, 20 de setembro de 2014

A primeira expedição do mundo a adentrar a Porta do Inferno, localizada no Turcomenistão

O explorador canadense George Kourounis tornou-se a primeira pessoa a sondar no ano passado, as profundezas ardentes da porta do inferno.
Em novembro de 2013, George Kourounis, em parceria com aNational Geographic e a empresa de viagens Kensington Tours, tornou-se a primeira pessoa a chegar ao fundo da cratera, por todos os seus 69 metros de largura e 30 metros de profundidade, no deserto ao norte do Turcomenistão.

Apelidada de Porta do Inferno, a Cratera de Darvasa foi criada há quatro décadas, quando uma sonda de perfuração Soviética provocou um desmoronamento.
Os detalhes não são claros quanto ao que realmente aconteceu, mas acredita-se que os cientistas soviéticos incendiaram a plataforma para queimar os gases nocivos que foram liberados após o colapso, mas subestimaram a quantidade de gás natural que existia abaixo da superfície. De acordo com a National Geographic, o Turcomenistão (ou Turquemenistão) tem a sexta maior reserva de gás natural do mundo, e este fator provavelmente levou à criação deste grande buraco de fogo no chão.
Além de ir a um lugar que ninguém nunca foi antes, a missão da Kourounis era coletar amostras de solo a partir do chão da cratera para determinar se a vida realmente pode sobreviver naquelas condições. Se sim, a pesquisa poderia ter grandes implicações na perspectiva de encontrar vida em condições extremamente duras, em outros planetas.
Christina Nunez, do National Geographic, entrevistou Kourounis sobre sua missão que pretende descobrir que a preparação não envolve só seus 18 meses de treinamento. Há também um traje refletor de calor, equipamento de respiração autossuficiente, e uma cadeira de Kevlar antiderretimento toda equipada. Ele chegou ao ponto de contratar um coordenador de dublês de Hollywood para treinar a andar próximo às chamas sem entrar em pânico e saber como contornar a situação com calma.
Korounis relatou para Nunez a sensação de entrar pela primeira vez na cratera que é um dos fenômenos naturais mais estranhos do mundo. “Quando você olha pela primeira vez a cratera, é como se ela tivesse saído de um filme de ficção científica. Você tem este vasto deserto com quase nada lá, e de repente surge esta cratera em chamas escancaradas”, disse.
O calor que ela emite é ardente, o brilho das faíscas que giram em torno do ar no local é simplesmente fantástico de se assistir, e quando você está a favor do vento, você recebe esta onda de calor que é tão intensa que você não pode sequer olhar diretamente para o vento. Você tem que proteger o seu rosto com a mão, ao ficar em pé na borda da cratera. Nessa hora eu pensei: ‘Ok, talvez eu tenha mordido além do que eu podia mastigar’", finalizou Korounis.
Os cientistas ainda estão analisando as amostras para encontrar vida microbiana, pois a região é rica em metano. Apesar de não ter encontrado nenhuma vida no fundo, a equipe está feliz por ter identificado bactérias que vivem na borda inferior. E, a coisa mais interessante, é que essas bactérias não foram encontradas em nenhum local nas proximidades da cratera no deserto, apenas na parte interna.
A descoberta torna-se animadora para astrônomos que buscam vida fora do Sistema Solar e que, muitas vezes, ignoram planetas que possuem temperatura muito elevada.
Fonte: ScienceAlert Foto: Reprodução / NationalGeographic

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
O autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.