Siga o observatório nas redes socias!!!

HIstória da Idade Média

A Idade Média geralmente é referênciada a Historia da Europa, sobretudo a parte Ocidental. Entretanto não deve-se generalizar os aspectos históricos de uma região para o restante do planeta, pois cada lugar tem suas especificidades, sua história. Além disso, nessa época que passaremos a estudar, o mundo não estava interligado como hoje, os contatos entre os povos e as regiões eram muito precários e, em alguns casos, inexistentes.
O período da Idade Média foi tradicionalmente delimitado com ênfase em eventos políticos. Nesses termos, ele teria se iniciado com a desintegração do Império Romano do Ocidente, no século V (476 d. C.), e terminado com o fim do Império Romano do Oriente, com a Queda de Constantinopla, no século XV (1453 d.C.), também chamado de Império Bizantino e pela chegada dos europeus à América.
Entre esses marcos, passaram-se cerca de mil anos. Foi um tempo em que os europeus  viveram, em sua maioria no campo, restritos a propriedades que buscavam sua auto-suficiência.
A sociedade – muito diferente daquela do Império Romano – era rigidamente hierarquizada e marcada pela fé em Deus e pelo controle da Igreja católica, sem dúvida a instituição mais poderosa de toda a Idade Média. O poder político era descentralizado, isto é, estava nas mãos de inúmeros senhores da terra.
Por todas essas características, muitos estudiosos acabaram chamando esse momento de Idade das Trevas. Eles acreditavam que o mundo medieval tinha soterrado o conhecimento produzido pelos gregos e romanos. O estudo dos fenômenos naturais e das relações sociais por meio da observação, por exemplo, teria sido substituído pelo misticismo religioso.
O certo é que durante esses mil anos a sociedade européia construiu grande parte de seus valores culturais, que iriam se espalhar por todo o mundo a partir do século XV, com as Grandes navegações. Valores que são, até hoje, plenamente perceptíveis.

A origem do mundo feudal

Durante séculos, o Império Romano dominou grande parte da Europa. Uma poderosa estrutura administrativa, com exércitos e estradas que interligavam  todo o território, possibilitou aos romanos impor as populações dessa parte do continente seu domínio, seu modo de vida e seus costumes.
A partir do século III, esse cenário começaria a se alterar. Com dificuldades para proteger as fronteiras, o Império Romano passou a ser invadido por diversos povos, sobretudo os de origem germânica, como os anglos, os saxões, os francos, os lombardos, os suevos, os burgúndios, os vândalos e os ostrogodos.
No século IV, os hunos, que habitavam a Ásia central, invadiram a Europa e tornaram essa situação mais grave. Esses guerreiros passaram a percorrer os territórios ocupados pelos povos germânicos, obrigando-os a procurar refúgio dentro das fronteiras romanas.
As invasões e os saques a cidades tornaram-se então constantes. Muitas famílias passaram a procurar o campo, considerando mais seguro. Com isso teve início um processo de ruralização em toda a Europa ocidental.
Com o passar dos anos, as propriedades rurais tornaram-se mais protegidas. Transformadas em núcleos fortificados, elas estavam sob a administração de um proprietário com poderes quase absolutos sobre as terras e seus habitantes.
O poder centralizado do Império Romano começava, assim, a se fragmentar. Em 476, os hérulos, povo de origem germânica, invadiram Roma e, comandados por Odoacro, depuseram o imperador Rômulo Augústulo. Foi o passo final para a desagregação do Império Romano do Ocidente.
Em seu lugar, com o tempo, surgiram diversos reinos independentes. No interior deles, iria se formar a sociedade feudal, a partir da mistura de valores e costumes romanos com os dos povos invasores. As principais características dessa nova sociedade seriam a ruralização, o poder fragmentado e a forte religiosidade. A Idade Média é um dos três grandes períodos definidos pelo mais comum quadro de análise de história européia: a idade antiga, ou Antiguidade, a Idade Média e a Era Moderna, que compreende as idades Moderna e Contemporânea.
O Império Romano atingiu o seu apogeu e máxima extensão territorial durante o século II, mas durante os dois séculos seguintes verificar-se-ia o lento declínio do domínio territorial romano sobre os seus territórios.A crise económica, refletida na inflação, e instabilidade nas fronteiras motivada pela pressão de povos invasores, estiveram na origem da crise do terceiro século, períodos em que um vasto número de imperadores ascendia ao trono apenas para ser rapidamente substituído por novos usurpadores. O orçamento militar aumentou constantemente ao longo de todo o terceiro século, sobretudo na sequência de uma nova guerracontra o Império Sassânida, iniciada em meados do século.

Dividindo o mundo feudal

Muitos estudiosos costumam dividir a história da sociedade feudal em dois momentos distintos: a Alta Idade Média e a baixa Idade Média. O primeiro momento, entre o século V e o IX, é o de consolidação do mundo feudal, quando se formam os reinos e se cristaliza a organização social. No momento seguinte, entre os séculos X e XV, a sociedade feudal começa a dar sinais de mudanças, com o fortalecimento das cidades e do comércio.

Referências

  • Adams, Laurie Schneider. A History of Western Art. 3 ed. Boston: McGraw Hill, 2001. ISBN 0-07-231717-5
  • Albrow, Martin. The Global Age: State and Society Beyond Modernity. Stanford, CA: Stanford University Press, 1997. ISBN 0-8047-2870-4
  • Backman, Clifford R.. The Worlds of Medieval Europe. Oxford: Oxford University Press, 2003.ISBN 978-0-19-512169-8
  • Barber, Malcolm. The Two Cities: Medieval Europe 1050-1320. [S.l.]: Routledge, 2004. ISBN 0415174155
  • Benton, Janetta Rebold. Art of the Middle Ages. London: Thames & Hudson, 2002. ISBN 0-500-20350-4
  • Bordone, Renato; Giuseppe Sergi. Dieci secoli di medioevo (em italiano). Turim: Einaudi, 2009. ISBN 9788806167639
  • "The Transformation of the Roman Mediterranean, 400–900". The Oxford Illustrated History of Medieval Europe. (1998). Ed. Holmes, George. Oxford: Oxford University Press. 1–62.ISBN 0-19-285220-5 
  • Bruni, LeonardoHistória do Povo Florentino. [S.l.: s.n.], 1442.. Versão moderna: Hankins, James. History of the Florentine People. Cambridge: Harvard University Press, 2001. vol. 1.ISBN 9780674005068
  • Colish, Marcia L.. Medieval Foundations of the Western Intellectual Tradition 400–1400. New Haven: Yale University Press, 1997. ISBN 0-300-07852-8
  • Cosman, Madeleine Pelner. Medieval Wordbook: More the 4,000 Terms and Expressions from Medieval Culture. Nova Iorque: [s.n.], 2007. ISBN 978-0-7607-8725-0
  • Cunliffe, Barry. Europe Between the Oceans: Themes and Variations 9000 BC-AD 1000. New Haven, CT: Yale University Press, 2008. ISBN 978-0-300-11923-7
  • Dodwell, C. R.. The Pictorial Arts of the West: 800–1200. New Haven: Yale University Press, 1993. ISBN 0-300-06493-4
  • Epstein, Steven A.. An Economic and Social History of Later Medieval Europe, 1000–1500. Cambridge: Cambridge University Press, 2009. ISBN 978-0-521-70653-7
  • Gies, Joseph; Gies, Frances. Life in a Medieval City. Nova Iorque: Thomas Y. Crowell, 1973.ISBN 0-8152-0345-4
  • Grant, Edward. God and Reason in the Middle Ages. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. ISBN 9780521802796
  • http://www.sohistoria.com.br/ef2/medieval/




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
O autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.